O DAC fez a extinta Varig cumprir a lei em Florianópolis

Compartilhe
RR
Jl Contabilidade
Orient Filmes
BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
LemosPassos
SECOM (Monitora)

Em 1980 os então denominados Jogos Universitários Brasileiros foram realizados em Santa Catarina, na cidade de Florianópolis. A Bahia tinha boas chances de medalhas nas modalidades de vôlei masculino e feminino. Na época, eu dava excelente cobertura aos chamados esportes amadores na Rádio Excelsior (AM 840) e no Jornal da Bahia.

Convidei os meus parceiros e amigos, o saudoso Amauri dos Santos Alves (Mamau) e Agripino Meneses Franco (o querido AGP), para acompanhar somente alguns jogos, pois não poderíamos ficar o tempo todo da competição em Santa Catarina.

Assistimos alguns jogos, passeamos pela aprazível Floripa, mas não podíamos ficar até o fim das competições, pois tínhamos compromissos em Salvador. E além disso, programamos passar dois dias em Curitiba.

Lembro que a nosso voo de Florianópolis para Curitiba era na manhã de um domingo, às 7 horas. Chegamos cedo no aeroporto e nos dirigimos ao balcão da Varig para fazermos o check-in.

Fomos informados pelo único funcionário da extinta companhia aérea, Varig, de nome Luizinho, que o voo que vinha de Porto Alegre, e nos levaria a Curitiba, estava atrasado. E não tinha previsão de chegada.

Ele me perguntou se nós admitíamos viajar de carro. Era uma viagem de aproximadamente 4  horas. Pedí um tempo, conversamos à parte,  e voltei com a resposta para ele:

– Nós vamos esperar que o avião chegue.

Nisso, o tempo vai passando e o Luizinho só informando que ainda não tinha uma previsão de quando o avião pousaria em Floripa. Resolví ir na Transbrasil e me informaram que existiam dois voos para Curitiba. Um saindo às 11 e outro às 19 horas.

No voo das 11 horas só tinha um lugar. Pedí ao Luizinho que, por favor, providenciasse colocar o Amauri. Como neste período ainda se podia endossar um bilhete de uma companhia aérea para outra, ele mesmo tomou as providências e o Mamau viajou na frente.

O tempo foi passando e nada do avião da Varig chegar. Fui então no DAC (Departamento de Aviação Civil), que mudou de nome em 2006, e expliquei a situação. Pela lei, a Varig teria que nos pagar, em dobro, o trecho não voado, e ainda conseguir nos  acomodar em outro voo para Curitiba.

Um senhor do DAC foi conosco até o balcão da Varig e disse ao Luizinho que ele tinha de nos reembolsar em dobro (a esta altura a mim e ao Agripino) e ainda nos colocar no voo da Transbrasil que sairia mais tarde. O funcionário da Varig tentou contestar a posição do representante do órgão federal e este respondeu em tom áspero e forte:

– Senhor Luizinho, aqui quem manda é a lei. E a lei aqui sou eu. Reembolse os dois passageiros e os coloque no próximo voo para Curitiba.

– Mas senhor, não tenho dinheiro aqui no aeroporto. E hoje é domingo.

– O problema não é meu. É seu. Resolva!

Eu e o Agripino ficamos só de lado observando. O Luizinho, então, resolveu pegar um táxi e nos levou até a agência da Varig, localizada no centro da cidade, nos devolveu o valor em dobro, voltamos para o aeroporto e ele conseguiu os dois lugares no voo da Transbrasil.

Chegando no aeroporto, fomos outra vez no DAC e agradecemos ao senhor, que nos deu total assistência. Por volta das 19 horas, saímos de Florianópolis e  só depois chegamos em Curitiba, onde o Amauri nos esperava.

Foi um domingo perdido, mas fizemos prevalecer os nossos direitos.
Decidimos dividir o dinheiro que recebemos da Varig também com o Mamau, que tinha vindo na frente, e ainda deu tempo para jantar na fria capital paranaense.

Marão Freitas

 

BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
SECOM (Monitora)
LemosPassos
Orient Filmes
RR
Jl Contabilidade
CCAA
Compartilhar:

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *