O trem quebrou! E eu, desço aonde?

  • 6 de abril de 2020
  • Em Cima do Lance
  • Opina quem sabe
  • 0
  • 204 Visualizações
Compartilhe
RR
Jl Contabilidade
Orient Filmes
BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
LemosPassos
SECOM (Monitora)

Caramba, comprei um bilhete para treze estações. Começou a viagem e, tudo bem, mas, na sétima estação o trem quebrou e parou. Pela situação apresentada, o trem não vai cumprir o resto da viagem. E, aí, o que faço agora? Estamos todos no mesmo TREM, que parece, afundou!

– Trem afunda?

– Não, mas descarrila, e vai pro fundo do mesmo jeito.

Em verdade, falo da paralisação do campeonato estadual de futebol profissional do Estado da Bahia do ano de 2020. Se os clubes, já com grande sacrifício, firmam contratos com os seus profissionais da bola, até a “nona estação” – fase classificatória – e, mesmo assim, têm enormes dificuldades para saldar seus compromissos, imaginem, tendo suas possibilidades de avanços nas estações, sucumbidas.

Muitos dizem que o campeonato estadual não tem a menor importância. Eu concordo com um grande jornalista – Mário Freitas -, que diz que o campeonato estadual só é ruim para quem perde. Perca o estadual e, prepare o lombo para tomar porradas de todos os lados!

O que atualmente os nossos clubes podem ganhar além de estaduais, talvez, um regional com grandes dificuldades. Nada, além disso. Então, se acabarmos com o estadual, vamos ganhar o que? Vamos comemorar o que? Além disso, existem outras variáveis que justificam a manutenção do velho e ruim campeonato estadual.

Não discordo das opiniões das pessoas que entendem que o estadual é fraco, não remunera adequadamente os clubes e, não atrai o público de modo geral. Mas, acabar com ele não seria uma solução contextual.

A Copa do Nordeste, ainda que tivesse divisões A, B e C, e as diversas séries do campeonato brasileiro, não comportariam todos os clubes dos Estados da região Nordeste. E, se esses clubes não têm êxito nos estaduais, o que garante que eles terão em outras divisões da Copa do Nordeste ou mesmo do brasileiro? Os grandes, tenham certeza, dependem também dos pequenos. Dificilmente um grande jogador já começa em um grande clube. Não é assim que a banda toca!

Mas, voltando ao foco principal, que trata da situação do campeonato baiano de 2020, como vai ficar a questão classificatória da tabela? É imperativo que tenhamos uma definição sobre o quadro final. Não podemos esquecer que é ela quem define as participações, ou não, dos clubes em outras competições nacionais e regional. Sobretudo, na Copa do Brasil que garante um ótimo reforço nos cofres dos pequenos clubes, apenas por suas participações. No ano em curso, o valor pela participação dos clubes do chamado grupo III – o grupo menos qualificado – foi de R$540.000,00 (quinhentos e quarenta mil reais). E, no caso de avançar apenas mais uma fase, colocariam mais R$640.000,00 (Seiscentos e quarenta mil reais) nos cofres. Ou seja, R$540 mil liquido e certo, mas, correndo o risco de embolsar R$1.180 milhão apenas em dois jogos. Como se fala na linguagem popular: “Dá pra safar a onça!”.

Objetivamente, acho que o campeonato estadual de 2020 deveria ser cancelado em sua totalidade. Não havendo assim, campeão, decesso, classificação final, tampouco acesso para 2021.

Assim, em 2021, tomaríamos por base os resultados fixados no ano de 2019, já que, em tese, não tivemos campeonato em 2020 e, começaríamos novamente do marco zero. Simples assim!

Adalberto Cunha, empresário

BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
SECOM (Monitora)
LemosPassos
Orient Filmes
RR
Jl Contabilidade
CCAA
Compartilhar:

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *