Um jovem menino de Santo Amaro que venceu no futebol

Compartilhe
RR
Jl Contabilidade
BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
LemosPassos
SECOM (Mais Investe)
Viabahia (Semana Nacional de Trânsito)

Foi no início de 71 que a Bahia conheceu o futebol do talentoso Alberto Leguelé. O menino que nasceu em Santo Amaro estava passando uns dias na casa do seu tio, no bairro do Stiep, e decidiu dar uma chegadinha na Fazendinha, onde o Bahia realizava os seus treinamentos. De repente, foi participar de uma “peneira” organizada por Jones (massagista do clube na época) e foi logo aprovado.

Não demorou muito tempo e eis que o menino franzino estava sendo relacionado por Jorge Vieira para a fazer a sua estreia pelo time titular, numa partida contra o Atlético Mineiro, pelo Campeonato Brasileiro, na Fonte Nova. Uma surpresa para toda a crônica esportiva. No final, Alberto Leguelé (apelido que herdou do irmão que era cantor) foi escolhido o melhor em campo e ganhou vários prêmios. Depois foi só sucesso na carreira do menino de Santo Amaro.

Jogou no Flamengo, Seleção Brasileira (disputou o Pan-Americano e os Jogos Olímpicos em 75 e 76), CSA, Fast Clube de Manaus, Nacional de Manaus, Galícia, Blooming da Bolívia,Vitória e encerrou a sua carreira, sendo campeão baiano da segunda divisão, em 1983, com o Ypiranga.

Leguelé lembra que no Flamengo esteve perto de chegar à Seleção Brasileira que disputou a Copa do Mundo da Argentina. Mas uma grave contusão lhe tirou do time que foi disputar a competição. A CBF chegou a relacioná-lo entre os 44 jogadores, que na época ficavam de sobreaviso para disputar o Mundial.

Ele lembra de um episódio na sua passagem pelo Flamengo. Durante um Fla x Flu, entrou no intervalo, e foi considerado por toda a crônica como e melhor do jogo. Não esqueceu também de um gol que fez no Maracanã contra o Vasco, jogando pelo Bahia, em 1976. Deu um chutaço de fora da área, já aos 45 minutos do segundo tempo, dando a vitória ao seu time. O goleiro Mazaropi nem viu a bola entrar.

Atualmente, Alberto Leguelé mora em Salvador, na Boca do Rio, e espera passar a pandemia do coronavírus para continuar com o seu projeto de descobrir jovens talentos para o futebol. Para isso, conta com o importante e decisivo apoio de ex-jogadores como Téo Sena e Edmilson Pombinho, entre outros.

Texto: Marão Freitas

Foto: Arquivo

BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
SECOM (Mais Investe)
LemosPassos
RR
Jl Contabilidade
Viabahia (Semana Nacional de Trânsito)
Compartilhar:

4 Respostas à postagem:

  • Hugo Aparecido

    Parabéns Lega!
    Você foi fera como atleta e segue sendo como amigo.
    Abraços.

  • Deixe sua opinião

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *