Vítimas da tragédia da Chapecoense não recebem indenizações

  • 15 de agosto de 2019
  • Mário Freitas
  • Pinga Fogo
  • 0
  • 256 Visualizações
Compartilhe
RR
Jl Contabilidade
BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
LemosPassos
SECOM (Mais Investe)

Uma audiência no Senado nesta quinta-feira debateu, mais uma vez, a falta de pagamento do seguro aos familiares das vítimas da tragédia aérea da Chapecoense, que vai completar três anos em novembro. Foi o segundo encontro para buscar uma solução. No primeiro, um dossiê do caso foi apresentado com a presença de familiares das vítimas.
Nesta quinta, o jogador Neto, um dos seis sobreviventes, falou emocionado sobre a falta de respeito com as famílias. O debate acabou sem acordo. A novidade é um encontro marcado para a próxima terça-feira, com o presidente da República Jair Bolsonaro, para tentar avançar no pagamento. Foram 71 mortos, entre jogadores, comissão técnica, dirigentes, jornalistas e tripulação.
 
– Minha vida mudou e a de todos. Quantas esposas sofrendo, filhos. Então só queremos a verdade esclarecida, que as famílias tenham mais conforto, e que tenham punições pois já será um alívio. Não será a mesma coisa para mim e muito menos os meus filhos. Meus filhos com 12 anos, sabem dos pais que se foram, pois convivíamos. Peço que façam de tudo, para que esse caso seja solucionado para confortar tantas famílias. A impunidade doí mais que qualquer tragédia. Eu só quero que a verdade seja esclarecida – disse Neto, emocionado.
O segundo encontro organizado pela Comissão de Relações Exteriores, foi chefiada pelo senador Nelsinho Trad. Nele, estavam Ricardo Albacete, dono da Lamia-Venezuela, que participou por videoconferência, Alex Stovold, representante da seguradora, além dos senadores Romário, Leila e Jorge Kajuru, advogados e famílias dos sobreviventes.
 
O senador Romário usou palavras duras para cobrar a seguradora, chamando o representante Alex Stovold de "cara de pau e "171". O parlamentar ainda se colocou à disposição para liderar uma CPI para buscar a solução do caso.
– Isso aqui não é brincadeira, nem circo. Nunca ajudou em porra nenhuma, o que você esta fazendo aqui. É dissimulado e surdo. Isso não é justo o que as famílias estão passando. Elas precisam receber. Nós juntos temos que interceder ao governo, uma solução precisa feita. Desculpa a palavra, mas é 171 – disse Romário. Foto e conteúdo : site Globoesporte.com

 

BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
SECOM (Mais Investe)
LemosPassos
RR
Jl Contabilidade
Compartilhar:

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *