Search
Close this search box.

Joca, um amante da vida

Mais um dos bons toma assento na redação do Jornal do Céu!
Zé Maria estará já lá para lhe dar as boas vindas com o seu solene e rompante “Joca, vá pra puta que o pariu”. E Dezinho, com o seu eterno bafo a exalar um almíscar de pinga e vermouth, dará um tapa de mão aberta ao tampo da primeira mesa e dirá “É ferroooo!”. Aldenice, logo à entrada, no comando do PABX de poucas e congestionadas linhas telefônicas celestiais, desencaixará, com alguma dificuldade de manejo, a sua larga bunda da cadeira de espaldar baixo, se levantará do seu posto de atenta vigilante de quem chega e sai e bate o ponto e pegará uma pilha de jornais de variadas bandeiras, aos pés do escaninho de muitos quadrados, a entregará ao nosso Joquinha, que minutos depois haverá de entrar no seu aquário, não sem antes trocar uns dedos de prosa com Pastore, um pastor da noite e das putas feito jornalista e solidário emprestador de grana a todos os fodidos, em fins de meses que pareciam não chegar nunca. E nós, um bando de meninos quase jornalistas, então, olhávamos tudo isso e buscávamos, em cima desse tudo isso, construir os nossos sonhos.
Na vaga da saudade e das lembranças do Joca, façamos de conta que o Jornal da Bahia continua vivo ainda lá, na Barroquinha, com O Petisqueiro, o Godô, o Bar Triângulo e O Samil também de portas abertas a nos servir brahmas tipo Chope 70 e Carlsberg bem geladas, que lembrar lembranças ainda dói menos que as ver morrer.
Viva Joca, pois!
Que amava a vida. E haveria de achar esse texto uma merda!

Fernando Vita

Foto: Xando Pereira|Ag. A TARDE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *