O mar não está para amadores

  • 26 de novembro de 2017
  • Mário Freitas
  • Eles
  • 0
  • 91 Visualizações
Compartilhe
RR
Jl Contabilidade
BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
ALBA
LemosPassos
Nova Rádio
VIABAHIA (Institucional)
JL CONTABILIDADE (novo endereço)
PMS (abandono de animais_DOG)
PMS (abandono de animais-GATO)
PMS (Coronavírus – Fase Verde)
Café Seu Jorge (O Sabor do Puro Café)
SECOM (VLT Subúrbio)
CAM. MUN. STO ANTO DE JESUS
PMS (Coronavírus Hebert Vacinação)
CMS (Portas)
Viabahia (Semana Nacional de Trânsito)
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Assim como na vida, numa campanha política quem planeja tem futuro e quem não o faz está sempre à mercê da sorte. Sendo assim, é impressionante como a maioria dos políticos, eleição após eleição, continuam com comportamento de amadores.

 

E não percebem que a atividade política exige cada dia mais profissionalismo.

 

Ganhar uma eleição não significa fazer pré-campanha e campanha somente seis meses ou noventa dias antes do pleito. Logo no day after de uma eleição deve ser dado seguimento ao processo de interação entre o político e o eleitorado.

 

Afinal, campanha política não é como Copa do Mundo ou Olimpíadas, que acontecem somente de quatro em quatro anos. O contato permanente com o cidadão deve ser prioritário; exige compromisso; sacrifício pessoal e é necessário que seja permanente.

 

Muitas pessoas, inclusive, dizem que políticos não trabalham. Mas muitos políticos que têm permanecido, ou seja, com vida longa no Poder e/ou com mandatos parlamentares em sequência, trabalham de domingo a domingo e estão sempre presentes nas comunidades ouvindo e lutando por seus anseios.
Afinal, confiança exige tempo e sem esta premissa de um “casamento duradouro” com o eleitor não é fácil angariar simpatias para um projeto.

 

Além de suas demandas, como os serviços públicos necessários para a sua comunidade, o cidadão tem um foco também no relacionamento com um político: a atenção. Afinal, a atenção é um dos pilares da perpetuação dos relacionamentos duradouros entre os homens.

 

Neste contexto, as redes digitais são grandes facilitadoras para a fidelização de uma união entre o político e o eleitor. Com esta aproximação, alicerçada por um projeto web realizado de forma profissional, o candidato está sempre presente no cotidiano do eleitor.

 

E tanto nas redes digitais como no corpo-a-corpo ou nas diversas formas de link entre o candidato e o cidadão, quem faz a grande diferença é o multiplicador.

 

Na maioria dos casos, ganhando ou perdendo uma eleição, o político deixa de ter contato, ao menos momentaneamente, com suas bases, como os líderes comunitários, por exemplo.
Mas este vínculo precisa ser perene.

 

A receita do bolo, em tese, é simples: para fazer dez mil votos, o candidato não terá sucesso se for correr atrás, voto a voto, de 10.000 eleitores.  Mas ele terá o caminho do sucesso nas urnas se conquistar e fidelizar duzentos líderes que consigam cinquenta votos cada um.

 

E aí faço parênteses para o fator dinheiro. Além de ser ilegal a oferta de benefícios monetários em troca de votos, um eleitor poderá ficar interessado num favor pessoal quando o candidato não apresenta projetos. Se ele for seduzido pelas propostas e se identificar com o candidato, “vai dar liga”, como dizem os jovens numa relação amorosa.

 

E para os que estão sem mandato, mas querem continuar no jogo, e até mesmo para os detentores de mandatos, podemos avaliar que cerca de 15%  dos gestores deixam saudade; 30% são esquecidos e 55% são lembrados pela incompetência, incoerência ou decepção.

 

Portanto, é bom lembrar aos gestores ou parlamentares: como eles estão construindo ou não o seu nome para a história e posteridade?

 

Obviamente, a meta é deixar saudades e sendo assim ele será sempre uma esperança. E é este combustível, a esperança, que move o eleitor.

 

Mas em qual público focar? Cerca de 5% dos eleitores são adversários ferrenhos do candidato; 15% seus defensores potenciais (os chamados amigos) e 80% são indiferentes. Portanto, há um grande potencial de conquista.

 

Esta é a notícia alvissareira.

 

Mas como o mar não está para peixe, em qualquer atividade neste país, seja empresarial ou política, os amadores serão tragados pela maré.

 

Que venha, então, 2018!

 

 

Foto: Acervo Pessoal

 

 

* Robson Wagner é diretor-executivo da W4 Comunicação

Texto reproduzido do site BahiaNoticias.com.br

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
ALBA
Nova Rádio
JL CONTABILIDADE (novo endereço)
PMS (Coronavírus – Fase Verde)
Café Seu Jorge (O Sabor do Puro Café)
PMS (Coronavírus Hebert Vacinação)
CMS (Portas)
Viabahia (Semana Nacional de Trânsito)
LemosPassos
PMS (abandono de animais_DOG)
SECOM (VLT Subúrbio)
CAM. MUN. STO ANTO DE JESUS
VIABAHIA (Institucional)
PMS (abandono de animais-GATO)
RR
Jl Contabilidade
Compartilhar:

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *