Ex lateral Cicinho revela mágoa com o Galo após derrota na justiça

  • 30 de junho de 2020
  • Redação Em Cima do Lance
  • Eles
  • 0
  • 57 Visualizações
Compartilhe
RR
Jl Contabilidade
Orient Filmes
BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
LemosPassos
SECOM (Monitora)

O ex-lateral-direito Cicinho, que jogou no Atlético-MG, São Paulo e Real Madrid, manifestou uma opinião que gerou polêmica nas redes sociais. O ex-atleta disse, em entrevista ao Canal do Nicola no Youtube, que não tem boas recordações do Galo e que torce para que o Atlético não se dar bem dentro e fora de campo.

O motivo da mágoa? Uma derrota judicial para o clube mineiro, que custou, nas palavras de Cicinho, R$ 3 milhões.

-No ano passado, eu perdi uma ação para o Clube Atlético Mineiro. Tinha uma cláusula que eu tinha que ter notificado se fosse sair do clube. Tive que pagar R$ 3 milhões. Nunca ganhei dinheiro nenhum do Atlético, só para que o torcedor entenda. Tudo o que ganhei lá em quase três anos, tive que pagar agora para que não penhorassem alguns bens meus- disse.

O ex-jogador, que parou de atuar aos 37 anos, em 2018, reforçou que sua contrariedade é com o clube e não com o torcedor atleticano.

-Não tenho nada contra o torcedor, mas o Atlético não é uma memória agradável para mim. Teve esta falta de honestidade do clube, que perdeu um dinheiro para o banco Axial, e eu que tive que pagar. Tudo foi resolvido. Não guardo mágoa, mas torço para que o Atlético não se dê bem. Paguei mais R$ 300 mil ao advogado-contou.

Cicinho chegou ao Atlético-MG em 2001, ainda como jogador de base, vindo do do Botafogo de Ribeirão Preto,com 20 anos. Ele ficou no alvinegro até 2003, quando foi para o São Paulo. Ao deixar o time mineiro, entrou na Justiça para poder assinar com o Tricolor Paulista. Ao todo, foram 96 jogos com a camisa alvinegra, marcando sete gols.

No São Paulo, Cicinho teve bons momentos, entrando em campo 151 vezes e anotando 21 gols. O ex-lateral venceu o Campeonato Paulista, a Copa Libertadores e o Mundial de Clubes em 2005, sendo contratado pelo Real Madrid e pouco tempo depois, jogou pela Roma, da Itália. Cicinho também esteve no grupo da Seleção Brasileira que venceu a Copa das Confederações de 2005 e na Copa do Mundo de 2006, ambos na Alemanha.

A rusga pública exposta por Cicinho gerou uma reação do Atlético-MG, que explicou a situação do seu ponto de vista. O vice-presidente do clube, Lásaro Cândido da Cunha, contou que o Galo moveu um processo contra o ex-jogador por uma dívida com o banco Axial.

A ação movida por Cicinho para deixar o Galo, em 2003, para conseguir deixar o clube, fez o banco perder 50% que tinha nos seus direitos econômicos. O Atlético negociou com o banco a sua parte na dívida e para não ser o único devedor, acionou Cicinho na Justiça, para quitar o débito com o Axial.

O banco Axial com a negociação e a ação judicial, reduziu o valor da dívida de R$ 18 milhões para R$ 9 milhões. Daí, o clube buscou sua parte com o ex-jogador, que pagou ao clube R$ 2,9 milhões, mais R$ 250 mil de custos do processo. Lásaro detalhou como funcionou o seguimento do processo.

-Cicinho jogou no Atlético até 2003. Entrou na Justiça e conseguiu a liberação. Só que Cicinho e Atlético tinham contrato com a Axial. Era uma empresa de São Paulo que tinha direito a 50% dos direitos do jogador. A empresa processou Atlético e Cicinho conjuntamente e ambos foram condenados. Valor total em 2016 foi de R$ 18 milhões. Nós pegamos esta negociação no fim, e nós temos um advogado, o Raul Ribeiro, que representou o Atlético. Nós coordenamos uma tentativa de composição. Conseguimos com a Axial reduzir um valor que era mais de R$ 18 milhões para R$ 9 milhões- disse Lásaro, que prosseguiu.

-Mas o Cicinho não participou deste acordo. Ele ficou lá escondido e não quis participar inicialmente. O que o Atlético fez? O processou. Valor da dívida dele no pacote era pouco mais de R$ 10 milhões. Nós oferecemos para ele uma oportunidade: fizemos o mesmo desconto que a empresa fez ao Atlético. E ele pagou ao clube R$ 3,2 milhões (Atlético e advogado). E ele deve agradecer ao Atlético porque o Atlético facilitou a vida dele, pois negociou com ele em condições excepcionais. O advogado na época, o Raul, obviamente recebeu os seus honorários, porque ele atuou corretamente e merece isso. Portanto, pare de falar besteira, Cicinho. O Atlético tem péssima recordação de você. Você deu prejuízo ao Atlético e deveria agradecer ao Atlético- completou. Para acertar com o Atlético-MG, Cicinho pagou sua dívida em três parcelas, nos anos de 2018 e 2019, sendo uma no valor de R$ 1.450.000 e três de R$ 500 mil. Foto: Reprodução

BRAVO
INTERNACIONAL TRAVESSIAS
Viabahia
ALBA
SECOM (Monitora)
LemosPassos
Orient Filmes
RR
Jl Contabilidade
CCAA
Compartilhar:

Deixe sua opinião

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *